quinta-feira, 23 de junho de 2016

Sou a condutora mais pacífica do mundo

É verdade, se há alguém que tem fairplay no mundo da condução, esse alguém sou eu. Passo demasiado tempo no trânsito o que só por si era justificação para causar em mim uma ira de mandar todos para a $@#%& que os $%&@#. Mas não. Só para terem noção do que passo, normalmente demoro mais de 1h a fazer 5km no centro de Lisboa - do trabalho para a faculdade. Sim, podia perfeitamente ir a pé ou a correr e demorar meia hora, mas não dá muito jeito deixar o carro abandonado à sua sorte. Sendo que depois disto tudo ainda tenho de ir para casa, que fica a uns 30km de Lisboa. Isto só para vos contextualizar. (Aposto que já estão com suores frios só de imaginar.) No entanto, dou por mim a ter uma calma quase irritante para o mais comum dos mortais. Ontem, por exemplo, estava parada num dos 500 semáforos do caminho trabalho-escola quando oiço um estrondo. Pensei: pronto, já foste Micra (o meu querido carro). Pensei mesmo que me tinham batido, mas entretanto reparei numa mota ao meu lado, entre dois carros, como sempre, que as motas têm a mania que são moscas ou algo do género. Ora então o que aconteceu foi que o senhor tinha pressa e pensou mesmo que ia conseguir passar a 200km/h pelo meio de dois carros, mas claramente foi alguém que não teve grandes notas a Matemática e falhou as contas. A mota tinha acabado, nada mais nada menos, do que praticamente me arrancar o retrovisor. Eu disse praticamente porque na verdade não chegou a arrancar, mas eu olhei e ele não estava lá. Continuei a olhar, com uma calma absolutamente impressionante, mas um pouco estupefacta, como se estivesse simplesmente a observar uma cena que não estava a acontecer comigo. Mas estava. Tendo em conta a porrada que a mota deu no espelho, o senhor teve mesmo de parar e então ficou a olhar para a sua obra. Como se não fosse nada, pega no espelho, que eu não conseguia ver, e mete-o no "lugar". O meu querido espelho estava lá afinal, e eu a pensar que ele tinha voado para a 2ª circular. Continuei com a minha calma espectacular (e um bocadinho estúpida), olhei para o espelho e tudo me parecia bem. O senhor da mota levantou o bracinho dizendo o que suponho que fosse um desculpa e seguiu caminho, serpenteado pelo meio dos carros e, com toda a certeza, arrancando espelhos por onde quer que passasse. Eu? Esperei que o sinal abrisse e fui para a faculdade que tinha um exame para fazer e uma linda história para contar.

4 comentários:

  1. Tu fizeste o quêeeeee? Credo, que não foi comigo e juro que fiquei enervada! Eu sei que às vezes uma pessoa fica tão aparvalhada que fica sem reação, mas tu deixaste mesmo o parvalhão ir à vida dele assim, sem mais?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mesmo! Fiquei tão estupefacta e estava tão estranhamente calma que pronto... fiquei-me por ali. Mas olhei muito bem para o espelho e realmente ficou tudo bem. O meu Micra é muito forte :D

      Eliminar
  2. Acho que teria reagido de igual forma, não por ser pacífica, mas sim por não saber mesmo como reagir xD
    É sempre bom ter uma história interessante para contar hehe E também foi bom não te teres deixado irritar por causa do exame :)
    Espero que tenha corrido bem!

    um beijinho*
    Dreams and Lemonade

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, a verdade é que não sabemos bem o que fazer :P E eu estava calma e preocupada com o exame e em chegar o mais rápido possível! Felizmente tudo correu bem :D

      Obrigada e beijinhos!

      Eliminar