quinta-feira, 10 de março de 2016

Abaixo a ditadura do arranjadinho

Eu não gosto de saltos altos, não gosto de calças a direito, sinceramente nem gosto muito de blazers. Camisas no meu roupeiro? Nem vê-las. Gosto de peças porque gosto, porque me identifico com elas. Gosto de vestidos, macacões e calções. Tudo acima do joelho, porque sou pequena e não gosto de me ver com peças mais compridas. Gosto muito de usar tops de alças e calças de ganga. Ténis, botas rasas e bem descontraídas. Gosto de acordar e vestir o que bem me apetece. Não gosto de usar maquilhagem e o meu cabelo anda quase sempre solto. É por estas e muitas outras razões que me irrita esta mania do "arranjadinho". Looks formais, tudo tão compostinho. Eu não tenho nada contra quem os usa, tenho é várias coisas contra quem acha que eu tenho de os usar. Porque eu não gosto de me vestir assim, gosto de vestir o que bem me apetece, seja um vestido ou leggings. Mas vivemos nesta sociedade que acha que quem anda de calças, camisa e blazer tem mais capacidades do que quem anda de calções e top... Pronto, é o que temos. Mas eu não gosto. Porque o que eu visto não diz absolutamente nada sobre o que tenho dentro da cabeça. Só gostava que toda a gente percebesse isso. Enquanto não percebem vou vestindo o que me apetece (com umas pequenas alterações de vez em quando, vá) e sorrio. As pessoas gostam quando sorrimos, diz-se. Com sorte esquecem-se do resto e focam-se em coisas um bocadinho mais importantes do que a porra da roupa.

6 comentários:

  1. Podemos ser "arranjadinhos" à nossa maneira, com aquilo com que nos sentimos bem!

    ResponderEliminar
  2. Ser arranjadinho não tem nada a ver com formatação ou estilo clássico. Podes usar jeans, sapatilhas e tops de alças e estar arranjadinha. Eu gosto de roupas "arranjadinhas" no sentido que lhes dás, adoro blazers, gosto de camisas... Mas gosto ainda mais de as usar de forma simples e descontraída. Há empregos e certas situações que exigem looks mais compostinhos, sem sapatilhas ou tops de alças, mas isso não significa que não se possa usar roupas mais informais e adequar às situações.

    Pessoalmente não gosto da obrigatoriedade de vestir isto ou aquilo. Escolho aquilo que gosto, com o que me sinto bem. Aliás, pareço uma pessoa completamente diferente à semana e quando estou de folga. No trabalho uso muitos polares, camisolas mais informais e oversized, sapatilhas...uso sempre o cabelo apanhado e nada de maquilhagens. Quando saio ou estou de folga (se não tiver de pijama! :p) visto sempre algo mais bonitinho, umas blusas, saias, vestidos, blazers, o cabelo sempre solto e arranjado. Mas isso é porque não consigo ir toda produzida para aquele trabalho: se é para trabalhar, não quero estar preocupada em não sujar a roupa, em não a manchar, não engelhar...

    ResponderEliminar
  3. percebo o que dizes mas no mundo real, quem trabalha, tem de ter um estilo clássico e arranjadinho. depende dos trabalho, claro, mas por exemplo, trabalho num escritório onde os homens vao de fato e gravata e as mulheres de saia-casaco. E durante a semana tenho de me vestir assim. Muito provavelmente se um dia trabalhares num contexto como este vais perceber. Mas ao fim de semana, ando se ténis e calças rotas e com a roupa mais confortável do mundo... mas claro que podemos dar sempre um ar mais jovenil e mais "cool" aos looks "arranjadinhos" mas pronto..
    beijinho

    ResponderEliminar
  4. Compreendo o teu ponto de vista, mas também compreendo que haja empresas que não queiram a desempenhar certas funções empregado(as) que se vestem como adolescentes.
    Sem qualquer atitude de menosprezo é dessa maneira que eu vejo os looks que apresentas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Compreendo o que dizes quando afirmas que me visto como uma adolescente, mas a verdade é que este é o meu estilo. Seja à adolescente ou não, não interessa. Só não posso concordar quando dizes compreender que as empresas não queiram funcionários que se vestem, como dizes, "à adolescente". Porque o que eu visto não tem nada a ver com o que eu sei fazer. E garanto-te que sou muito mais competente que pessoas que se vestem sem ser "à adolescente". Eu não trabalho com os meus calções ou vestidos. Trabalho com a minha cabeça.

      Eliminar