quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

As coisas são como são

Dou por mim a percorrer cada lugar como se fosse a última vez. Observo o chão, as paredes, o tecto, percorro as mesas com os dedos, sinto tudo como nunca. Memorizo cada detalhe, cada pormenor. A nossa memória não nos deixa decorar tudo como gostaríamos e sei que, eventualmente, algo se irá perder para sempre. Mas eu não quero. Por isso continuo a percorrer o caminho com todos os sentidos alerta e peço à minha mente para esquecer todas aquelas imagens que não quero ver e colocar estas no seu lugar. Este sítio, o chão, as paredes, o tecto. As mesas, as cadeiras, o caminho que sempre fiz. Talvez ela me obedeça e eu possa voltar a viajar até aqui, um dia, quando sentir demasiadas saudades. Mas não sei. Afinal, as coisas são como são. E esta não é a última vez, mas algum dia será.

2 comentários:

  1. o meu pensamento sempre que leio o que escreves é: tão same.

    obrigada por escreveres coisas tão boas, que deixam uma pessoa a pensar !!

    ResponderEliminar