sexta-feira, 2 de outubro de 2015

Dress code

Há dois anos, quando comecei a ir a entrevistas de trabalho, não me preocupei muito com a roupa, pelo menos não tanto como várias pessoas que sei que compraram roupa de propósito para ir a entrevistas. Claro que tive algum cuidado com o que vesti, mas não mais do que isso. Depois comecei a trabalhar e percebi que a empresa tinha um ambiente muito descontraído e jovem, por isso nunca mais pensei nisso. No Verão ia trabalhar de havaianas, sandálias, vestidos, saias e calções, sem qualquer preocupação, até porque estava um calor de ananases. Nunca, em momento algum, me foi feito algum tipo de advertência ou chamada de atenção. Era uma liberdade fantástica que eu, pessoalmente, adoro. Onde trabalho neste momento, o ambiente é claramente diferente, mas continuo a trabalhar em backoffice, por isso continuo a utilizar as minhas roupas de sempre. Mas, num dia destes, estavam a falar do código de trabalho da empresa em relação ao vestuário e apercebi-me que por lá diz que não se pode usar camisolas de alças, nada acima do joelho nem barriga à mostra. A verdade é que não me parece que alguém cumpra estas regras e ainda bem, porque eu não me sinto nada confortável em ter de pensar meticulosamente no que posso ou não usar quando me levanto às 7 da manhã. Tenho 24 anos e não tenho qualquer contacto com clientes no dia-a-dia, por isso não vejo o mal de utilizar alças ou calções, macacões, vestidos e saias que, como é óbvio, são quase todos acima do joelho. Não venho com a barriga à mostra, até porque não é algo que costume fazer, mas não gosto que seja alguém a dizer-me que não o posso fazer. Penso que o meu bom senso me permite saber que não posso vir como se fosse para a praia ou estivesse simplesmente a passear o cão no meu bairro, nem eu me sentiria bem se me vestisse de forma igual. Por isso, na minha opinião, devia existir apenas uma regra: bom senso. O bom senso resolve tudo e só quem não o tem é que não sabe apresentar-se consoante o ambiente em que está inserido.

4 comentários:

  1. O problema é que nem toda a gente tem bom senso :)

    ResponderEliminar
  2. Depende sempre o tipo de empresa.
    Onde trabalho não lido com clientes mas o ambiente é mais formal

    ResponderEliminar
  3. isso de facto do bom senso tem muuuuuito que se lhe diga :)
    eu tive um professor que nos dava aulas de chinelo de enfiar no dedo e calções pelo joelho, como se fosse para a praia. Mas parecia que se enganava sempre no caminho e vinha dar à faculdade :P
    pessoalmente, não gosto de ver um professor assim, e a verdade é que a turma toda se ria e remexia nos assentos sempre que o prof entrava assim vestido. lá está, nem todos têm bom senso :/

    quanto ao resto, ainda não tenho grande opinião sobre o assunto. Mas confesso que estou ansiosa por poder trabalhar num local onde possa usar roupa mais formal. Há lojas com roupa maravilhosa assim para empresas, e na faculdade não faz sentido usá-la :(

    um beijinho*
    Dreams and Lemonade

    ResponderEliminar
  4. O problema do bom senso é que são raras as pessoas que o possuem. Por isso mesmo existem os códigos de conduta, mais especificamente essas regras do vestuário. Não sendo fã dessa falta de liberdade e percebendo perfeitamente essa vontade de vestir o que bem me apetece, compreendo que nem sempre tal possa ser praticável. No meu estágio atendia clientes, pais de miudos, ia a escolas... claro que não podia ir como bem me apetecesse. Nada de blusas transparentes, nada de umbigo à mostra (mas claro que também nunca o faria), nada de vestidinhos curtos. Há quem vá masi longe e diga que nem sequer acessórios "espampanantes" deviamos usar porque tira a atenção do cliente da consulta. Enfim, exageros à parte, sempre deve haver bom senso, claro.

    ResponderEliminar